One need not be a chamber, Emily Dickinson's Poem

One need not be a chamber to be haunted,
One need not be a house;
The brain has corridors surpassing
Material place.
[...]
[...]
Ourself, behind ourself concealed,
Should startle most;
Assassin, hid in our apartment,
Be horror's least.

The prudent carries a revolver,
He bolts the door,
O'erlooking a superior spectre
More near.

________________________________
[PT]

Novo video-música do projeto Latin Grufti.
As letras fazem parte do poema "One need not be a chamber", de Emily Dickinson (1830-1886), que foi de grande importância na literatura norte-americana. Ela foi uma precursora escrevendo sobre temas góticos que só seriam mais desenvolvidos no século XX.
Este vídeo pretende ser uma interpretação artística do poema. E na sua totalidade com a canção penso nela como uma produção artística da e para a cena gótica do século XXI.
Obrigada por assistir,
por favor, curta se você fizer isso e se inscrever no canal.

Organic Synthesis

      É um audiovisual que trata da temática gótica pós-humana.

      Em um mundo onde não há mais possibilidades de viver no corpo humano, é encontrado um canal de transferência de dados para um outro corpo, pós-humano.

      Este trabalho é uma metáfora sobre o quanto o ser humano se afasta mais da natureza e se aproxima mais da tecnologia cibernética, transformando-se de tantas formas, para sobreviver sempre mais.

      Mas isto nos afasta de ser humano? o que é ser humano, enfim, se não uma construção conceitual iluminista que deixou tantas pessoas de fora da caixinha do humano, como pobres, mulheres, negros, judeus, e tantos outros povos que não se adaptassem ou não estivessem de acordo com o "humano".

      No final das contas, os animais querem é sobreviver, custe o que custar.

      Este audiovisual foi premiado pela Lei Aldir Blanc MG, Edital 09/2020.

Das Leben

      É uma música/audiovisual que conversa sobre a depressão e o isolamento.

      A letra-poema fala das dores físicas e da confusão mental, o tempo passa e estamos ainda presos no isolamento social, sem poder ver a luz.

 

Das Leben

Wenn mein Gehirn den Verstand verliert,

weiß ich nicht was ich machen soll

Es gibt so vieles in meinem Kopf

Und meine Seele ist so verwirrt

 

Ich überlege, ich bleibe Still

merke den Schmerz an meinem Stirn

Die Augen blinken, die Zeit vergeht

Und alle Muskeln tun so weh

 

Schwer ist das Leben

Wir leiden so sehr

 

Die Tage vergehen

verhaftet in Zimmern

die Welt ist gefährlich

weit weg ist das Licht

 

     Tradução (adaptada)

 

A vida

 

Quando meu cérebro perde o entendimento

Eu não sei o que devo fazer

São tantas coisas na minha cabeça

E a minha alma está tão confusa

Eu reflito, eu permaneço quieta

Percebo a dor na minha testa

Os olhos piscam, o tempo passa

E todos os músculos doem tanto

 

Difícil é a vida

Nós sofremos tanto

 

Os dias passam

Presos nos quartos

O mundo é perigoso

Tão longe está a luz     

HEADACHE / DOR DE CABEÇA

    Nesta vídeo-arte, LG trás metáforas góticas do século XIX para a contemporaneidade ao tratar do quarto-casa como local representativo do inconsciente.

    Nas primeiras obras literárias góticas, no século XVIII, era o castelo era o locus horribilis da narrativa, onde fantasmas do passado e seres não-humanos assombrariam as personagens. 

    No século XIX com o American Gothic, o locus horribilis passou do castelo medieval para a casa mal assombrada, na literatura dos EUA.

    Na narrativa desta produção, trago este elemento do gótico e insiro no momento de isolamento social devido à pandemia. Somos presos em nós mesmos, com nossos próprios medos e horrores que nos assombram. Nós temos a chave para nos libertarmos de nossas masmorras, mas nem sempre conseguimos vê-las.

   A arte é uma chave, use-a para sair da sua câmara de tortura.